Detalhes da Notícia

Detalhes da Notícia

Black Friday deve turbinar o transporte de cargas
17 Novembro

Black Friday deve turbinar o transporte de cargas

Em 2019, a Black Friday movimentou R$ 3,2 bilhões em compras online de acordo com levantamento da Ebit-Nielsen, empresa que monitora as movimentações do e-commerce no Brasil. Esse número contempla um aumento de 23,6%, em relação ao mesmo período de 2018, quando as vendas ficaram em R$ 2,6 bilhões. Todo esse volume de compras pela internet movimenta outro setor que é responsável por levar as mercadorias até os consumidores: o transporte de cargas. Este é responsável pela movimentação de 65? todo o volume de carga, com 75? produção do país sendo escoada através da malha rodoviária.

As transportadoras vêm se mantendo otimistas para a data deste ano, apesar da pandemia. Segundo André de Simone, membro do conselho administrativo da Transita Transportes, a data simboliza uma economia e um transporte mais aquecido. "A Black Friday representa, não só para o transporte de cargas, mas para a economia em geral, um momento de aquecimento. Com descontos e compra facilitada, aquece-se a economia e, a partir das vendas, surge a necessidade da entrega desses produtos nas casas do consumidores. É estabelecida uma relação de proporcionalidade direta entre as compras e o transporte de cargas na Black Friday: se o consumo cresce, o transporte também cresce."

Tendo em vista a grande movimentação em decorrência da data, são feitos esforços internos nas transportadoras para que o aumento de demanda seja cumprido, de acordo com Guilherme Juliani, CEO da Flash Courier. "Normalmente além das ações de qualidade, que sempre temos, existe a contratação de mão de obra para suportar o volume e garantir extensão dos turnos de trabalho. Fazemos o incremento temporário das rotas de transferência aumentando os veículos e a quantidade de saídas deles. Temos que garantir que esse período seja o melhor possível para nossos clientes."

De acordo com Lucas Scapini, diretor comercial do Grupo Scapini, a data vem trazendo otimismo para as transportadoras. "As expectativas para a black friday desse ano, são positivas. Com a pandemia, temos uma questão de capital envolvida, com um dilema entre pessoas que conseguem ou não comprar produtos, entretanto, a tendência é que o consumo seja elevado e que movimente bem a economia e o transporte."

Apesar disso, segundo Felipe Medeiros, COO da GVM Solutions, a expectativa é grande, mas a preocupação acompanha. "Percebemos que a recuperação econômica está acontecendo rápido, mas existem gargalos que estão atrapalhando essa recuperação em todos os níveis de insumos básicos, tanto para indústria, como setor de transporte e comércio.

Preparação é fundamental

Seja no mercado B2C ou no B2B, muitas empresas acabam perdendo a oportunidade de vender mais nesta data porque não fazem o planejamento correto, composto pelos departamentos comercial, de estrutura interna e atendimento. Então, para aproveitar essa temporada muito importante, especialmente agora, com um mundo mais digital, Rafael Martins, CEO do Grupo Máxim, preparou dicas para turbinar o e-commerce.

1. Defina um objetivo - durante a Black Friday, temos uma maior possibilidade de conquistar um cliente, pois o consumidor já conhece a data e procura as ofertas dos itens que deseja. Para ser assertivo na comunicação com o cliente, é importante definir qual vai ser o enfoque do negócio ao participar da data.

Dentre as possibilidades, está a comercialização de produtos que tiveram pouca saída ao longo do ano ou ainda o lançamento de produtos e serviços. Aqui, a máxima é planejar o que vender e procurar oportunidades dentro do próprio negócio. Lembre-se que produtos em estoque geram custos de armazenamento, talvez mais altos do que a aquisição de novos produtos. Então, é hora de fazer o estoque girar!

2. Preocupe-se com a logística - não basta apenas selecionar os produtos para vender, é preciso fazer com que os itens cheguem ao cliente sem avarias e em um prazo competitivo. Diante deste cenário, a estratégia logística é fundamental e deve passar tanto pelo estoque, fornecendo agilidade na separação e movimentação de produtos, como também pela entrega. Vale ressaltar que, neste período, as vendas aumentam em média 30% e, por isso, deve ser avaliado um parceiro logístico externo, caso o serviço interno não atenda o volume previsto. Um sistema de roteirização é outro aliado à data, já que proporciona entregas em menores tempo e custo possíveis.

3. Avalie a estrutura interna - assim como a logística, o seu sistema de e-commerce deve suportar o volume de acessos esperado, que deve aumentar neste período. Nesta estratégia, é importante contar com um parceiro tecnológico, que deve lhe fornecer um plano de ação, assim como melhorias e soluções para retenção de clientes.

4. Fidelize clientes - já sabemos que o e-commerce é o canal de vendas que mais atrai novos consumidores. O grande desafio é mantê-los por meio de um bom atendimento e entrega no prazo. Feito isso, existe a possibilidade de o consumidor se tornar um cliente. Depois, é só fidelizá-lo por meio de uma comunicação assertiva e vantagens.

Fazer um planejamento para a Black Friday no e-commerce é imprescindível, pois estamos falando da principal data sazonal que existe neste canal de vendas. Não se trata apenas de vender mais. A data também é uma oportunidade para converter consumidores em clientes e fortalecer sua marca no mercado.

 

Fonte e imagem: https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/cadernos/jc_logistica/2020/11/765713-black-friday-deve-turbinar-o-transporte-de-cargas.html

Por: Jornal do Comércio